Tudo começa por brincadeira

 

Tudo começa como uma aventura partilhada entre amigos.

 

É assim que se começa, na grande maioria das vezes, a fumar. Depois, poucos são os que conseguem escapar à dependência que a nicotina impõe e, mais tarde, poucos são os que conseguem escapar ao cancro do pulmão à insuficiência respiratória, à doença pulmonar obstrutiva crónica, ao enfarte do miocárdio e à esclerose das artérias que pode afetar de uma forma mais exuberante qualquer uma delas em qualquer órgão.

 

São brincadeiras de criança que nos marcam para a vida. Quanto mais cedo se começa mais cedo se sofrem as consequências.

 

A dependência à nicotina não é igual para todos. Uns tornam-se mais dependentes do que outros, mas de um modo geral todos consideram que, se continuam a fumar é porque isso lhes dá prazer e quando quiserem, deixam de o fazer. A questão é que quando se tornar determinante para a vida deixar de fumar a dependência que não se quis assumir, vai lá estar a “dar cartas” e a estipular as “regras do jogo”. Sim, a vida é um jogo do qual não sairemos vencedores, mas perder de uma maneira tão humilhante é deprimente.

 

Dr. Luís Negrão

Partilhar:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone