Taxa de mortalidade por doença cardiovascular: diminuição ou ilusão?

 

Quando olhamos para os números de mortalidade ficamos muito satisfeitos quando vemos as doenças do aparelho circulatório (DAC) nos últimos anos a diminuir. A diminuir estão também as doenças mais frequentes neste grupo, nomeadamente as Doenças Cerebrovasculares (DCV) e a Doença Isquémica do Coração (DIC).

 

Portugal está a envelhecer. A Proporção de indivíduos com 65 e mais anos é desde 2001 superior à proporção de indivíduos com menos de 15 anos de idade. Também ficamos orgulhosos por saber que a esperança de vida dos portugueses tem vindo a aumentar. Os homens, à nascença, esperam viver em média até aos 77,8 anos e as mulheres até aos 83,4 anos.

 

Estes números refletem um esforço de todos os que para ele contribuem. Os médicos que os recebem nas urgências hospitalares e os mantêm vivos a todo o custo. A Medicina Familiar que os acompanha nas Unidades de Saúde e Centros de Saúde, os Enfermeiros os Técnicos na área da saúde. Até os próprios assistentes operacionais e assistentes técnicos que, com a sua dedicação, ajuda e acompanhamento, deixam a mensagem de que os doentes não estão sós e que vale a pena continuar e lutar pela vida. Reconheça-se também que os próprios doentes têm dado ouvidos ao que a Fundação Portuguesa de Cardiologia tem divulgado e tem promovido. Mas será que são todos? Será que o coração dos portugueses tem estado a melhorar de uma maneira dão boa? Parece que não. Quando, nas taxas de mortalidade, desagregamos por grupos etários verificamos que a DCV, a DIC e a DCV têm vindo a diminuir graças aos que têm mais de 65 anos. São eles que têm vindo de uma forma sustentada a diminuir as taxas de mortalidade. A mortalidade por DAC e DIC, na geração dos que têm menos de 65 anos, tem vindo a aumentar. A Doença Cerebrovascular (a trombose) apresenta na população com menos de 65 anos uma discreta descida nos últimos anos. O enfarte agudo do miocárdio, ou o que popularmente se designa por ataque cardíaco, tem vindo a aumentar em Portugal.

 

Todos os anos a World Heart Federation (Federação Mundial do Coração) chama a atenção para as doenças do aparelho circulatório (DAC). “Todos podemos ser Heróis do Coração, basta que faça uma promessa, a si, aos seus amigos, à sua família ou aos seus doentes”. É esta a mensagem a transmitir em todo o mundo este ano. Há que reduzir a mortalidade por doenças do aparelho circulatório. É por isso, é a pensar nos que ainda pensam numa reforma por inteiro e com saúde que a Fundação Portuguesa de Cardiologia comemora este dia. É a pensar em si, que quer ver os seus netos a crescer, que quer brincar com eles que se comemora o Dia Mundial do Coração.

 

Se não for por si, que seja por eles. Faça uma promessa. “Babamo-nos” todos quando eles começam a dizer papá ou mamã. Voltamo-nos a “babar” (por vaidade, note-se) quando eles aprendem a dizer avô ou avó.

 

Dr. Luís Negrão

Assessor médico da Fundação Portuguesa de Cardiologia

Partilhar:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone