Dia Mundial do Coração: movimento global para escolhas mais saudáveis

Sorrir não é difícil. Também não é difícil sentirmo-nos vivos. Há coisas na vida que são fáceis de fazer e de conseguir.

Há no entanto coisas na vida que são difíceis de fazer, sem serem de todo impossíveis. Deixar de fumar é um exemplo.

Todos nós temos o direito de fazer escolhas saudáveis para a nossa vida. Independentemente do local onde viva, onde trabalhe onde se divirta. As opções saudáveis de vida estão perfeitamente acessíveis e estão ao nosso alcance. No entanto, para alguns, porque o ambiente onde vivem limita-lhes as opções de escolha, criar hábitos de vida saudáveis,é difícil de conceber.

É mais fácil fazer opções de vida saudáveis quando vivemos em ambientes saudáveis. Quando à nossa volta existem condições para que possamos ter mais saúde. Mas para que essas condições existam precisamos de começar por atuar nas nossas casas. E porque vivemos de forma saudável, criamos naturalmente um ambiente à nossa volta também saudável. O nosso bairro, a nossa comunidade e a nossa cidade será ela também mais saudável. Nós somos capazes de uma forma espontânea e natural influenciar os nossos pares e os que connosco interagem.

Promover uma alimentação saudável, praticar regularmente uma atividade física, deixar de fumar, vigiar a tensão arterial e o colesterol são mudanças que, se nos empenharmos, conseguimos viver uma vida mais plena e influenciar os que connosco interagem.

9ESCOLHA ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA A SUA CASA

  • Limite alimentos pré-embalados que são frequentemente ricos em sal, açúcar e gorduras.
  • Introduza frutas e legumes frescos nas suas refeições. Troque o doces e as guloseimas por uma maça, por exemplo.
  • Prepare em casa os lanches saudáveis que leva para a escola ou para o trabalho.

7ELIMINE O TABACO EM CASA

  • Não fume em casa. Vai melhorar não só a sua própria saúde, como também a saúde dos seus filhos.
  • Deixe de uma vez por todas esse hábito. Torne dessa tomada de posição num modelo positivo para os seus filhos.

 8SEJA ACTIVO

  • Limite o tempo que passa a ver televisão, ou nos jogos eletrónicos.
  • Organize atividadesao ar livre, como seja ciclismo ou caminhadas. Desafie os de lá de casa nessas atividades. Aproveite as imagens que venha a captar para mostrar aos outros porque não está tanto tempo no face e explore as redes sociais para participarem também.

6CONHEÇA O SEU RISCO

  • Meça regularmente a sua tensão arterial e o seu colesterol, vigie o seu peso e o seu índice de massa corporal. Fale com o seu médico.
  • Só se previne o que se conhece. Ao conhecer o seu risco de DCV, pode fazer um plano específico para melhorar a sua saúde.
  • Siga os conselhos do seu médico e não se esqueça que os medicamentos que ele prescreve são para o ajudar a ter uma vida com menos riscos.

Sensibilize e pressione os decisores políticos e de opinião para que se façam as mudanças na sua comunidade, com impacto efetivo na sua vida.

Isso não é egoísmo, é PARTILHA.

 

Dr. Luís Negrão

Assessor Médico da Fundação Portuguesa de Cardiologia
Partilhar:
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone